Dor anterior do joelho, condromalácia ou condropatia patelar

A dor anterior no joelhos, ou dor patelofemoral, ou ainda disfunção femoropatelar (DFP) é uma das queixas mais comuns no consultório de um ortopedista. Os tecidos da articulação fêmoro-patelar suportam as cargas mais altas comparada a todas as outras articulações do corpo humano e freqüentemente funcionam no limite ou próximo a seus limites biológicos. Assim, estes tecidos são os primeiros no joelho a serem submetidos a cargas suprafisiológicas, provocando perda da homeostase indicada pela sensação de dor. 

    Se considerarmos o joelho como um órgão, cuja função é absorver, transmitir e redirecionar forças no membro inferior, a nossa abordagem se torna funcional. Assim, o tratamento das disfunções desta articulação passa a ter por meta a restauração da função como um todo. Scott Dye traduz de forma objetiva esta nova maneira de abordar a articulação do joelho: “este pode ser comparado a uma transmissão mecânica biológica cujo propósito é aceitar redirecionar e dissipar cargas biomecânicas. A articulação fêmoro-patelar pode ser visualizada como uma grande superfície de sustentação deslizante, com um sistema de transmissão vivo, de auto-manutenção e auto-reparação. Os ligamentos podem ser visualizados como um sistema articulado e sensitivo, os meniscos como superfície sensitiva móvel. Os músculos, nesta analogia, funcionam como motores celulares vivos, que em contração concêntrica transmitem forças através do joelho e em contração excêntrica agem para absorver e dissipar cargas”.

    Portanto, a dor muitas vezes não é causada por uma lesão anatômica, mas por um distúrbio funcional. Isto significa que não há necessariamente algo machucado ou fora do lugar, ou um desgaste na cartilagem. As famosas condromalácia, ou condropatia patelar não são causas da dor, mas a dor e a alteração na cartilagem da patela são consequências de um desequilíbrio na transmissão de forças. É o desequilíbrio muscular e de controle motor a verdadeira causa da dor. Isso significa que o tratamento não será através de cirurgias ou medicamentos, mas consistirá no reequilíbrio do membro como um todo, geralmente conseguido com um programa de exercícios. Importante destacar que muitas vezes o distúrbio que está gerando dor no joelho encontra-se na verdade no quadril, com fraquezas de rotadores e abdutores e frequentemente valgo dinâmico.

    Sendo assim, o diagnóstico funcional é fundamental para a correta abordagem.